Reino da Magia (Parte 2)

“Não, vocês não podem comprar um robô gigante!” – Mestre arrependido de conduzir os jogadores até Wynlla.

Sangue mágico

Em um reino que sempre recebeu muitas criaturas fantásticas e/ou interplanares, existe uma certa probabilidade de que algum antepassado distante tenha sido de natureza mágica. Por este motivo, a ocorrência de feiticeiros é muito alta em Wynlla. Da mesma forma, pela facilidade de acesso ao conhecimento arcano, não é surpresa que uma parcela considerável da população seja composta também por magos.

Caso planeje conduzir aventuras fortemente baseadas no Reino da Magia, recomendo que sejam utilizadas as sugestões disponíveis no Manual do Arcano. Este livro contém regras e classes de prestígio que podem diferenciar muito os seus personagens (tanto os dos jogadores, quanto os do mestre). O livro inclusive discute a possibilidade de grupos compostos completamente por conjuradores.

O reino atrai personagens de qualquer raça, mesmo as sem vocação para a magia. Uma notável exceção é a baixa ocorrência de representantes do povo-fada. Acredita-se que a instabilidade das energias arcanas os afete muito intensamente. Existem alguns registros afirmando que uma fada que entre em um escoadouro é desintegrada imediatamente, similar ao efeito que ocorre quando entram em uma área de Tormenta.

Profissão: Arcano

Entre os nativos de Wynlla interessados em combates e desafios, os caminhos mais óbvios são o do feiticeiro, para aqueles com sangue mágico, e o do mago, para os que precisam de muito estudo. No entanto, a presença intensa das artes arcanas no cotidiano do povo oferece alternativas bastante interessantes.

O exército de Wynlla é conhecido (e temido) em toda Arton por suas habilidades únicas. A formação dos magos de batalha os fornece grande conhecimento sobre conflitos entre exércitos. Eles estão aptos a observar o campo de batalha de forma analítica e conjurar suas magias com muita estratégia para garantir maior eficácia. Eles podem colocar os inimigos para dormir, fazer com que corram em puro pânico ou simplesmente que explodam com bolas de fogo bem colocadas.

Dentre as fileiras dos magos de batalhas, existe muitas funções a serem desempenhadas. Desde o arqueiro arcano que jamais erra um tiro, não importa a distância, passando pelos batedores capazes de estudar os inimigos sem jamais denunciar a sua presença e até mesmo aqueles que se dedicam à combinação de poderosos feitiços com o uso de armas de combate corporal e pesadas armaduras de guerra. Mais uma vez, o Manual do Arcano e o Manual de Classes de Prestígio apresentam regras para simular papéis muito diferentes.

Entre os conjuradores que preferem viver nos centros urbanos, existem aqueles que utilizam suas habilidades para se esgueirar por qualquer local sem nunca se percebido. O grupo dos Sombras de Wynlla fazem isto com maestria. Eles somente roubam dos ricos, nunca matam ou ferem suas vítimas e desaparecem nas sombras sem deixar vestígios. Sabe-se tão pouco sobre este grupo que é difícil até mesmo avaliar se suas intenções são bondosas ou malignas.

Apesar da recente mudança na rota de Vectora, o porto de Kresta continua sendo de grande importância para o escoamento dos itens mágicos produzidos no reino. Toda esta riqueza circulando em apenas uma cidade atrai muita atenção e interesse. O magos de batalha guardam fortemente  os comerciantes e os compradores da cidade, tanto em terra quanto em mar. Ainda assim, a promessa de riqueza é suficiente para atrair piratas armados de itens mágicos e até mesmo de conjuradores arcanos buscando vencer as defesas da marinha de Wynlla. Conflitos acontecem com certa frequência, mas até hoje não existe notícia de algum grande roubo bem sucedido na cidade.

Mesmo em um reino fantástico, existem pessoas comuns. Alguns não conjuradores admiram as artes arcanas e os seus mistérios e carregam consigo conhecimento muito útil para enfrentar masmorras em suas vidas de aventureiros.  Outros alimentam grande ressentimento por uma vida sendo tratados como cidadãos inferiores e partem do reino levando consigo uma atitude hostil contra toda forma de magia arcana.

O reino em que tudo é possível

Quando se viaja pelas áreas selvagens de Wynlla, é extremamente rara a ocorrência de encontros comuns com bandidos gnoll ou matilhas de lobos. Raças fortemente ligadas à natureza e animais comuns já evitavam esta região, muito antes da formação do reino.

Ao se aventurar pelas terras do Reino da Magia, tudo é possível. As áreas de magia caótica podem gerar condições climáticas imprevisíveis ou conceder qualquer tipo de habilidade fantástica para os animais e plantas da região.  Esta é uma excelente oportunidade para o mestre utilizar viajantes planares e surpreender os jogadores com absolutamente  qualquer criatura de qualquer suplemento obscuro de qualquer cenário, de RPG ou não.

Da mesma forma que as áreas de magia caótica podem jogar todo tipo de criatura sobre o reino, elas também podem arremessar os jogadores para qualquer plano de existência e além. Em Wynlla, o mestre é livre para fazer o que bem entender com o grupo sem precisar se preocupar em manter qualquer tipo de coerência.

Se conseguirem chegar até alguma cidade em segurança, os personagens dos jogadores ainda terão que se acostumar com a sociedade de Wynlla. Personagens conjuradores serão muito bem recebidos, os nativos demonstrarão interesse nas especialidades arcanas de cada um, magias conhecidas e tudo mais. O resto do grupo será simplesmente ignorado, se tiver sorte.

Outra visão incomum encontrada nas cidades de Wynlla é a grande quantidade de construtos e mortos-vivos andando naturalmente pelas ruas como cidadãos normais. Alguns grupos de heróis podem se sentir extremamente incomodados com isto, especialmente os devotos de divindades bondosas. Mais provavelmente, os heróis sairão correndo e contando cada moedinha para comprar um construto lutador na primeira oficina que encontrarem.

O feitiço ainda não acabou!

Em breve publicarei a última parte deste texto com muitos ganchos de aventura para os corajosos dispostos a explorar Wynlla. Incluirei também muitas referências de filmes, séries e livros para criar o clima imprevisível deste reino.

Caso tenham gostado deste post, peço que o compartilhem com os seus amigos e com a sua bruxa preferida!

IMPORTANTE!

As observações aqui contidas não substituem o texto oficial publicado. Somente busco compartilhar as minhas observações e impressões sobre o material original. Recomendo fortemente que busquem os livros oficiais do cenário na loja da Jambô Editora. As suas aventuras serão muito mais ricas com os mapas, detalhes históricos, personagens e locais de interesse oferecidos lá.

Todos os direitos sobre os termos referentes ao cenário de Tormenta, incluindo nomes e descrições de personagens, deuses, lugares e fenômenos estão reservados à Jambô Editora.

Imagem de Fetsch.

Um comentário sobre “Reino da Magia (Parte 2)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s